Esse site foi visitado: 2039654
 
 
Report OnLine - Área Exclusiva para Clientes
Login   Senha      


 ABC EXPURGO UM PASSO À FRENTE NO CONTROLE DE PRAGAS    info@abcexpurgo.com.br
BUSCA  

Insetos & Cia

AS LATAS COMO VEÍCULO DA LEPTOSPIROSE MITO OU REALIDADE?
As latas como veículo da Leptospirose mito ou realidade?
UM FOCO EM PRAGAS AS LATAS COMO VEÍCULO DA LEPTOSPIROSE – MITO OU REALIDADE ?? Há cerca de um ano vem circulando na web um email com informações a respeito do alto risco da leptospirose, doença cujo principal vetor é o rato urbano, ter sido veiculada via lata de cerveja ou refrigerante, o que tem causado uma grande discussão. O email a que nos referimos tem a assinatura de um engenheiro agrônomo, da Universidade Estadual do Norte Fluminense, Prof. Fabio Lopes Olivares o que acabou dando credibilidade ao assunto. Para melhor esclarecer os nossos leitores fomos a campo e levantamos algumas infor-mações. Segundo a Sra Lucia Gracinda da Silva, que é doutoranda do Prof Fabio Olivares, com quem conversamos por telefone, esta mensagem não foi distribuida por ele. Na realidade, ele simplesmente a recebeu e passou adiante, por acreditar tratar-se de uma informação importante. Ocorre , que , ao fazer isso, automaticamente o email foi assinado por ele, o que gerou uma séria e polêmica credibilidade ao assunto. Para piorar as coisas esta mensagem foi redistribuída, desta vez, acrescida de mais um parágrafo que dizia que o pai de uma famosa modelo havia morrido em decorrência de haver ingerido o conteúdo de uma lata de cerveja que estaria conta-minada por leptospiras. Assim, travestida de suas cores ameaçadoras, este email passou a circular na Internet e , acreditamos, necessita de maiores explicações. A Associação Brasileira de Alumínio (ABAL) está divul-gando em seu site www.abal.org.br que esta mensagem é falsa e embasa a sua afirmação com uma declaração do proprio Prof. Fabio Olivares informando que ele não assume a responsabilidade pela divulga-ção do referido texto na internet, chamando-o inclusive de boato. Também é possível ter acesso a uma declaração do INMETRO informando não ter realizado até o presente momento nenhuma análise em latas de cerveja e refrigerantes. Diante destas duas evidências fica claro que esta informação foi fabricada. Isto também não quer dizer que um fato como este não possa acontecer. A Leptospira icterohaemor-rhagiae, que tem sido a responsável pela transmissão aos humanos da leptospirose, via contato com urina de ratos, permanece viável em água por até 180 dias, sua multiplicação é ótima em pH entre 7,2 e 7,4, porém morre em 2 a 3 minutos se exposta ao ambiente seco. Se fôr ingerida, morre imediatamente ao entrar em contato com o suco gástrico. A possibilidade restante é a de que uma lesão na mucosa poderia permitir o ingresso desta bactéria no organismo via circulação sanguínea e, a partir daí ela se multiplicaria, alojando-se em um órgão do corpo. A situação descrita na web apesar de falsa no seu conteúdo deve servir como alerta e como modêlo para iniciar uma investigação científica. Os roe-dores, no caso a espécie Rattus norvegicus, que agem como vetores da leptospirose, estão realmente disseminados no ambiente urbano. O seu controle é extremamente difícil e há necessidade de investimento em assessorias especializadas, treinamento, adequação do ambiente, fechamento de entradas destes roedores, utilização de produtos químicos dentre outras medidas. Não é um trabalho simples. São animais extremamente adapta-dos ao homem, conhecem seus hábitos e se aproveitam , principalmente, da forma como o homem administra os seus estoques, o seu lixo, o seu ambiente de trabalho; da forma de armazenagem de alimentos de uma forma geral. Tenho presenciado, ao longo de minha vida profissional , uma série de não conformidades que per-mitem e favorecem o ingresso de roedores às habitações e construções humanas. Já conduzi vários ensaios de campo para observar o trânsito destes animais e todos eles indicam que as medidas anti-ratos, se bem orientadas e bem feitas, são um caminho fundamental na defesa contra estes animais. Pelo simples fato de que não é possível criar “ilhas” de controle pela existência um cordão de iscas raticidas ao redor da área a ser tratada. Medidas, de cunho defensivo, devem complementar esta ação, para que os resultados aconteçam. A educação é uma delas e a web é um excelente meio de divulgar a informação. Infelizmente pode desinformar, também. O saldo de toda essa discussão é positivo e podemos tirar algumas conclusões interessantes. Em primeiro lugar, por que se colocou em discussão um tema a respeito do qual não há nenhum trabalho descrito, o que certamente despertará a curiosidade de algum profissional no sentido de buscar a veracidade dos fatos. Em segundo lugar por que coloca em discussão um assunto muito importante e, a meu ver, bastante negligenciado, que é a forma de armazenagem de alimentos e suprimentos dos estoques de supermercados, atacadistas, pequenos mercadinhos, padarias e outros comércios, que estão vulneráveis ao ataque e presença dos roedores e que necessitam rever as suas políticas de estocagem e os recursos utilizados para proteger as mercadorias. Um terceiro ponto positivo a se extrair desta mensagem é que realmente a higiene é fundamental. Se colocarmos na boca um produto qualquer retirado do estoque, sem a devida higienização, estaremos correndo o risco de sermos contaminados por algum tipo de bactéria. Não abrimos uma lata de conservas sem antes lavá-la com água e sabão. O mesmo hábito deve ser dispensado às latas de refrigerante e de cerveja. Este excelente hábito de higienização não deve no entanto isentar os comerciantes de verificar as condições de armazenamento de seus estoques , de seu lixo, e verificar como anda o controle de roedores implantado. Todas estas medidas conjugadas irão garantir uma real segurança alimentar. Lucia Schuller Bióloga e Especialista em Pragas Urbanas (UNESP) 1/10/2000

 









Al. Dom Pedro de Alcântara 618, São Bernardo do Campo - NÃO TEMOS FILIAS NEM REPRESENTANTES